sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Mostrando a vida

Desnudando-se lentamente
vou descobrindo o viver...
A cor da pele aparece lentamente
deleite para olhos abertos ao prazer.
Desnuda-se, deixa surgir o corpo...
mostra a beleza do ser aos seres
e se entrega no amor total
buscando sonho e fantasia...
em instantes de prazer.

Encontro




Sibilando como serpente...
encantas o passante...
flui em êxtase o corpo ofegante
que se desmancha em suor de prazer.
E na noite ou pela manhã, 
se entrega e ouves o prazer trovejando
num languido murmurio de prazer...

que ainda vive, mas em silêncio. 

Ficando calado



Estou quase mudo...
as palavras teimam em ficar presas
sequer à garganta chegam
e no ser anônimas permanecem...
A sequencia das palavras cria o encanto
e assim pode saber o quanto te amo, 
Antes que definitivamente
as palavras calem!